quinta-feira, agosto 20, 2015

Etapa aos Domingos as 9H00M (se não chover)


Etapa para Domingo está publicada no face dos DUROS DO PEDAL. É só clicar em  ETAPA



CLÁSSICAS DUROS DO PEDAL
--- Janeiro ---(defeso)


--- ABRIL dia xx ---

MONTE JUNTO - VILA VERDE (148KM)

--- MAIO dia xx ---
CLÁSSICA DOS DUROS (200 KM)
(Caldas da Rainha)

--- JULHO DIA xx ---

PENICHE (172kms)

--- AGOSTO dia xx ---
MONTE JUNTO - (Pragança)

--- NOVEMBRO dia xx ---
JANTAR DE GRUPO (defezo)

--- DEZEMBRO dia XX ---
TROIA SAGRES (193 KM)

quarta-feira, maio 20, 2015

2015 CLÁSSICA PENICHE

Hoje realizou se mais uma Dura Clássica, a de Peniche. Obrigado a todos os presentes!
Talvez a Clássica mais atípica até hoje realizada. Na hora de saída do Algueirão, liga me o Tapadas, a dizer que tem um furo, para esperarmos 5 minutos, que foram 10. Arrancamos, passados 2 minutos furo eu. Já depois de Torres Vedras fura o Miguel Afonso e 10km mais à frente, quando vamos em perseguição, estão os Roda 28 parados com uma roda na mão, talvez também com um furo... lolll
Apesar de termos baixado bastante o andamento, não mais os voltamos a ver, penso que não foram a Peniche...?
Já no regresso, vem o João Apolinário ao nosso encontro e diz não saber de nada dos seus colegas. Espero que tenham chegado bem a casa!
Clássica bastante dura, como é habitual. Na ida, a dureza não esteve no andamento, mas sim, no vento de frente e lateral que sempre se fez sentir, forte! No regresso, também como é habitual, as locomotivas imprimiram um andamento muito forte, o que fez com que se formassem vários grupetos e, atalhantes!
Cada um sabe de si, mas para quem vai à Serra da Estrela era insensato ir aquele ritmo, ainda se fosse constante..., mas não, era aos esticões. lolll
Eu e mais uns 10, formámos um grupeto e imprimimos um ritmo alto, mas constante, claro que com o passar do tempo e dos km chegámos ao Algueirão 3 + 2 wink emoticon Fui um dos principais rebocadores da "carroça" espero que não tenham ficado chateados comigo, mais devagar também não, senão não almoçava mos... lolll
Mesmo sem "queimar" de Peniche até ao Algueirão, fizemos média de 33km/h, para coxos nada mau. 

António Vaqueirinho
 






domingo, abril 12, 2015

2015-CLÁSSICA MONTE JUNTO (Vila Verde)


Por Antonio Vaqueirinho
Clássica a Montejunto - Duros do Pedal.
Atrevo me a dizer que deve de ter sido a Clássica a Montejunto com mais adesão até hoje realizada, talvez 1 centena de atletas, com as dificuldades do relevo que todos conhecem, é fantástico! Ah... e com a simpática atleta Filomena Gomes a fazer nos companhia. Grande máquina, Parabéns!
Às 8h30 saímos de Loures com as locomotivas Telmo Nunes e João Afonso a assumir o comando do pelotão até perto de Arranhó, grandes máquinas!
O andamento até Vila V. dos Francos, foi quase sempre acessível a praticamente todo o pelotão, só em alguns topos é que foi mais puxadinho e, como é natural, a fazer alguns estragos!
Já perto de VVF avistámos um grupo numeroso e só fizemos a junção já no inicio da subida, onde os reais trepadores saltam para a frente e impõem um ritmo impossível de acompanhar. Eu não estava nos meus melhores dias para subidas do género e pus o meu ritmo na zona de conforto smile emoticon felizmente que veio o Pina Bruno Felizardo de trás e reboca me por ali acima. Obrigado Bruno, desculpa aqueles 100mt finais, mas sabes qual foi a razão. Depois daquele tipo vir todo o tempo a mamar nas nossas rodas, queria nos fazer a folha... lolll
Mais uma vez grande adesão por parte dos Duros e todos eles com excelentes prestações!
Não vou falar em particular das individualidades, bem mereciam, foram muitas e de grande qualidade!
Obrigado; Duros, Pinabike, Roda 28 (mal os vi e foi no regresso?) e todos os outros, que marcaram presença e nos fizeram excelente companhia. Até uma próxima, abraços e beijinhos.

domingo, março 22, 2015

2015 - CLÁSSICA LOURES - ÉVORA 29-3-15

Por Vaqueirinho :
Clássica Loures - Évora, a clássica que mais prazer me dá fazer!
Manhã fresquinha, um pouco ventosa a dificultar a dura tarefa que tínhamos pela frente, mas comparando isto com o ultimo Tróia - Sagres, até parecia que íamos para a praia. smile emoticon
Como vem sendo habitual, muita adesão por parte dos aficionadas das bikes, não tantos como noutras..., nesta fase já há muitas provas e o pessoal tem outros compromissos.
Os Duros comparecerem em bom numero e todos eles com muita vontade de dignificarem a Dura camisola e, assim o fizeram, até há ultima gota de suor, bravos!
Os pontos quentes: empedrado de Vila Franca e ponte, passou se sem grandes sobressaltos, aqui estava com muito receio que os raios das minhas carbónicas não resistissem, mas não, comportaram se à altura.
Reta do cabo, como é habitual, com muito vento lateral, a dificultar bastante a progressão e o ir na roda no sitio certo, tínhamos de ir para a direita, para a parte suja da pista smile emoticon por 2 vezes tive de sprintar para recuperar de cortes.
Vendas Novas, como é habitual passagem em alta velocidade tudo à procura da cabeça do pelotão como se Évora fosse já ali, com as rotundas a não se desviarem e alguns como vimos no Tour... a seguir em linha reta gasp emoticon
A 10 km de Montemor pára se para um xx consensual. Isto serve para que muitos recuperem forças e, logo no inicio da subida, a mesma é atacada em grande ritmo, pelotão completamente todo esfrangalhado. Não foi das subidas mais rápidas no computo geral, mas o suficiente para que muitos ficassem irremediavelmente a tirar bilhete...
Topo do Cruzamento para Arraiolos, (que fica a 5 km da minha Santa Terrinha) aqui, como já vem sendo hábito, gosto de passar na frente do já restrito grupo, para a foto smile emoticon Faço um sprint como se de uma meta volante se trata se, passo isolado... desilusão total, não estava lá nenhum paparazzi frown emoticon Assim ficou lançado o grupo, para os 14 km finais com alguns a não resistirem (já vinham presos por elásticos) aos ataques do "puto" André...
Chegada a Évora, faltava cerca de 2 km para a meta e o grupo quase que pára, na mira a meta, mas a organização que se esqueceu de colocar o pórtico a sinalizar a chegada smile emoticon foram vários os tiros de pólvora seca... Não sei quem foi o 1º a cortar a linha de chegada, se é que ela existe. lolll
Existiu sim, grande camaradagem por parte de todos os envolvidos nesta excelente clássica, onde vários atletas se destacaram; André, Vitor Duarte (grande regresso), Luis Freitas, Bruno Felizardo, Tiago Pereira e muitos outros, peço desculpa por não citar os seus nomes!
Da parte dos Duros, estiveram todos muito bem; Tó Monteiro, Paulo Carneiro, José Pedro Tomé, Bruno Rosado, Ricardo Borges, Fábio Alexandre e melhor ainda, porque vinham integrados no grupo da frente; Pedro Sampaio, Jorge Pereira, Telmo Nunes, Nuno Nobre e António Vaqueirinho.
Obrigado a todos pela excelente companhia. Abraços

domingo, fevereiro 22, 2015

2015 - CLÁSSICA LOURES-SANTARÉM-LOURES 1 MARÇO


Depressa se foi o defezo e depressa chegam as clássicas.

Por António Vaqueirinho:
Clássica Pinabike Santarém.
Como se previa grande adesão! Os Duros compareceram em massa, assim como os Pinabike (anfitriões) e os Roda 28. No total eu acredito que chegámos a ser perto de uma centena.
Logo de inicio andamento muito elevado, o que fez com que perto de Vila Franca muitos se questionassem; será que vou passar a ponte? ou vou dar uma voltinha até ao Cartaxo? sempre dá para beber um copo. lolll
Empedrado feito a fundo, minhas ricas carbónicas (assim não há carbono que aguente... :)). Depois de passarmos a ponte 1/4 já tinha ficado a tirar bilhete. Até Almeirim a média chegou a bater nos 39km/h, não fora uma queda e daria para chegar aos 40!
Na subida para Santarém, com a estrada em obras, muito nervosismo, mas lá se passou sem incidentes. Sim..., sem incidentes, mas mais 1/4 a tirar bilhete. Chegou o Vale de Santarém e ai se fez a ultima selecção.
Na frente talvez 25 a 30 unidades, onde os duros estavam muito bem representados, com as locomotivas; Bruno Afonso, Telmo Nunes e João Afonso (grande trio 5*), mais, Pedro Sampaio, Carlos Maia, Jorge Pereira, Nuno Nobre, Carlos Silva, mais 1 ou 2 que eu não me recordo do nome, Ah... e eu também smile emoticon.
Com o andamento sempre alto, assim passámos em Vila Franca e Alverca, que loucura! À saída de Alverca dá se mais uma queda envolvendo 2 ou 3 ciclistas (que eu saiba resultou em cromados riscados e danos no material. Situações sempre a lamentar, as rápidas melhoras para os envolvidos). Aqui, eu, Sampaio e Nuno Nobre perdemos cerca de 300m para o grupo, muito "ganimos" para os voltar a alcançar, o que veio a acontecer já no final do topo da central da cerveja. Obrigado Sampaio e Nuno pela ajuda. O Nuno acabou por não aguentar e ficou no seu ritmo.
Ufff... que alivio, na cauda do grupo a recuperar forças, mas a rolar entre os 40 e 50km/h. Com o grupo a perseguir o Carlos Maia que estava em fuga, Grande Duro!
Ultimo grande obstáculo, topo da Variante/CREL, aqui já tinha recuperado e sentia me muito bem. Os Roda 28 atacam na parte final da subida, eu fico bloqueado, mas coloco me na roda do Pina Ricardo Costa, os 28 ganham uma centena de metros, eu e os Pinas; Ricardo, Luis Freitas, Nuno Mendes... em união de esforços movemos a perseguição. Já na rampa para a rotunda do Infantado, passo alguns Roda 28 e oiço uma boca; ai vai o tal que vinha passear e tal... Foste tu João Apolinário? grin emoticon
Grande Clássica, momentos de grande convívio, é um prazer pedalar ao lado de gente tão ilustre. Obrigado Pinabike, Roda 28 e todos os presentes.
Duros, obrigado por terem comparecido em massa... Somos DUROS? SIM.......

terça-feira, novembro 04, 2014

ETAPA DE DIA 04 JANEIRO


  • António Vaqueirinho Grande pelotão, até parecia que estávamos na volta a Portugal. Até o sol ajudou à festa. Andamento moderado até à subida para o Sobral... Mais uma vez se quis alterar a paragem para o abastecimento, mais uma vez se viu que não resulta. Nas etapas é para se cumprir o que está previamente estabelecido, senão corremos o risco destes desencontros, uns para um lado outros para outro. De resto foi uma muito boa etapa sem incidentes. Há pessoal que continua (está) com grande andamento... Eu e o Nuno Pedro, depois de passarmos perto de casa, ainda fomos ao Algueirão picar o ponto, mas em passeio Obrigado a todos pela excelente companhia. Abraço






quarta-feira, maio 28, 2014

2014 - CLÁSSICA A PENICHE

Agradecimentos a todos os participantes.
Clássica fantastica sem furos nem quedas.



domingo, maio 25, 2014

2014-CLÁSSICA LEZÍRIAS (RECORD DE PRESENÇAS)

Obrigado aos mais de 100 participantes.
As melhoras rápidas aos acidentados.


segunda-feira, março 03, 2014

2014 - CLÁSSICA MONTE JUNTO DOMINGO 11 Maio

Agradecimentos a todos os participantes nesta DURA manhã.
Agradecimentos a todos os que ajudaram a rebucar o pesado Pelotão contra os ventos fortes.
Agradecimentos para o Grupo Roda 28 que depois da descida marcaram passo para reasgrupar os pelotões.
Apenas uma queda da parte do Tapadas sem lesões.
Venha de lá as Clássica das Lesírias.
Abraço









domingo, fevereiro 16, 2014

2014 - AUDACE ESTRADA DIA 23 FEVEREIRO DA LOJA 2CYCLING

O audace contou com a participação de cerca 180 ciclistas.
Ritmo sempre aceso tendo a minha média de FC ficado nas 154bpm.
Duros: TO Monteiro, Miguel Faria, Nuno Nobre, Chaves.


domingo, agosto 11, 2013

2013 - CLÁSSICA MONTE JUNTO (Abrigada) 15 AGOSTO

 FOTOS:

Agradecimentos aos mais de 30 amigos que se fizeram a uma das mais DURAS aventuras do Ano.
Brevemento as os rescaldos.


Por Vaqueirinho:
Clássica Montejunto por Abrigada.
Grande etapa, pessoal 5*. Os Duros estiveram ao mais alto nível, como há muito não se via!
Dos Duros tenho a destacar; Pedro Sampaio, Carlos Martins e Carlos Tapadas.
Hás 8h15 já eu estava em Montemor juntamente com o Martins e o Sampaio de seguida chegou o sempre bem-vindo Grupo Roda 28, desta vez com uma baixa de peso “André Madureira”. De seguida chegaram os restantes Duros, com o maquinista Tó Monteiro. Como previsto seguimos em direcção a Loures. Nas bombas estavam 2 ou 3 Pinas um deles o amigo Ricardo Costa, pessoa muito assídua nas nossas aventuras um exemplo a seguir por outros… Também o amigo Pedro Fernandes, que já não via algum tempo.
Já com o pelotão mais composto respeitámos o horário. Deu se a partida às 8h30 com cerca de 30 carruagens, a partir daqui já não havia lugar a mais apeadeiros, era pegar ou largar…
Até Bucelas, os sempre disponíveis Roda 28 marcaram o andamento, a partir desta localidade disponibilizei-me para dar uma ajuda que em princípio seria apenas de 2 ou 3 km. Mas, como me sentia bem, fui quase sempre na frente durante os 10km de subida, até à descida para o Sobral de Monte Agraço, fazendo dupla com vários elementos; Fataça, Carlos Martins, Sampaio, João Apolinário, Ricardo Costa entre outros… Ritmo constante acessível a todos (outra coisa não seria de esperar, comigo na frente…, obrigado pelo sacrifício que fizeram). Na descida para o Sobral e até á Abrigada foram os roladores de serviço a impor o ritmo, dos quais destaco, Bruno Afonso e Alvaro Macedo este também a atravessar um excelente momento de forma.
Na subida para Montejunto cerca de 10 elementos destacam se, eu e Martins formamos dupla em quase toda a subida, mas com cerca de7 – 8 elementos à nossa frente. Pódio; 1º André, 2º Atleta com equipamento verde?, 3º Sampaio (na talega… lol).
Tapadas faz 4º e a partir daqui não sei mais… O Martins também fez uma excelente subida chegando à minha frente (já não há respeito pelo mestre… lol). Também o Ricardo Costa está em boa evolução a preparar se para o Granfondo da Lousã (obrigado amigo pela oferta, não sei é se terei pernas para te acompanhar…)
Tirada a foto da praxe no alto do Montejunto, fizemos o reagrupamento em Vila Verde dos Francos. Reabastecimento feito e ala que se faz tarde… O Tapadas foi direto para o Algueirão, tinha a família à sua espera para irem de férias para o Algarve, isto é só queimados…
Até Santa Eulália foi sempre a queimar cartuchos, à base de Duros e Rodas 28, grande companheirismo! Não importa de quem és, se aguentas vais, se não aguentas ficas… Não foi Tó e Jaime? eheheheheh
No Topo de Santa Eulália, o Sampaio destacado impôs se ao João Apolinário. No grupo dos furados, a culminar um excelente trabalho do Carlos Martins fiz 3º, ganhando no sprint ao Henrique Janota por milímetros, ou será que não ganhei? Eheheheh
Grande jornada, obrigado a todos pela vossa excelente companhia! Vou de férias, mas volto!
Tempos: Loures – Montejunto, 67 .8km – 28Km/h * Vila Verde dos Francos – Santa Eulália 51.5km – 31.5km/h.
Um abraço,
António Vaqueirinho

quinta-feira, julho 18, 2013

2013-Clássica Cartaxo dia 28 Julho.

FOTOS

 PERCURSO





   Rescaldo por TO MONTEIRO
Antes demais não consigo compreender tanta falta de Duros nestas Clássicas.
É sempre interessante compartilhar o mesmo asfalto com atletas que não conhecemos.
Mas foram mais de 50 os participantes.

Loures- Alverca 34,1kmh.
Tiradas as fotos que é sempre um pouco cansativo, depois de comprimentar as Clássicas amizades.
A média de 34 logo nos primeiros kms ditou o ritmo que viria a ser sempre vivo tendo o pelotão chegado a rolar nos 60 kmh em frente a central de cervejas.
Alverca - Vila Franca 41kmh
Aqui  era ir na roda e tive de largar a cauda do pelotão pois os sucessivos esticões estavam-me a fazer estragos.
A passagem em Vila Franca longe de ser calma fez perder algumas carruagens incluido nelas o Helder Massamá.
Só dei por falta dele no Cartaxo.
Vila Franca - Cartaxo  38,7kmh
Ritmo muito aceso onde os Duros To Monteiro e Vaqueirinho passaram alguns minutos na frente .
Notou-se um abrandar de ritmo quando o Ricardo dos Pinabike pediu para se baixar um pouco a cadencia valeu.
Até aqui nada de incidentes.
Cartaxo - Carregado 37,2 kmh
Quase na Chegada ao Carregado o Remigio e Mário deram uma queda numa das Rotundas ganhando algumas escoriações.
Aqui para mim acabou o acompanhar do pelotão até porque ja vinha com algum sofrimento.
Quero desejar as melhoras rapidas ao Remigio e Mário.
Quero dar os parabéns aos DUROS Vassoureiros que hoje superaram em numero os mais fortes.
Parabéns ao Nuno Tdi e Vaqueirinho sempre aquelas máquinas.
Venha de lá a próxima.
Abráço
TO MONTEIRO



Por Ricardo Costa
 "Crónica da Clássica do Cartaxo"
 Uma Clássica das grandes, a do Cartaxo, realizada no último domingo. «Pico» do verão e de forma (ou lá perto) para muitos dos quase trinta de participantes que arrancaram de Loures. Uma adesão que superou as expectativas, não pela tradição do evento, que é um dos que regista maior entre as Clássicas, mas porque ultimamente as voltas domingueiras têm andado um tanto «desligadas».   Para tal, regista-se (e agradece-se) a presença de muitos ciclistas de outros grupos/outras paragens, com destaque para os sempre assíduos Duros do Pedal (embora o camarada Tó Monteiro tenha lamentado a limitação em número [talvez se estivesse a referir mais à «qualidade»], os Roda28 (que formam um coletivo cada vez mais coeso e de bom nível), alguns Ciclismo2640 (com realce para o Senhor Dario) e para alguns Pássaros, com o também «habitué» Vítor Mata à Velha em plano de evidência. Menção, ainda, para os Masters (sob as mesmas cores), Duarte Salvaterra e Pedro Capela, e o aplaudido regresso do meu amigo Jony às lides. Bem haja.
Entre os nossos «Pinas», representação sem motivo para acanhamento. As figuras de proa, Rui Torpes e Ricardo Gonçalves «Ricky», bem secundadas por lote respeitável: os Bruno’s (com o de Alverca a equipar a preceito – bem-vindo!), o Nuno Mendes e o Gonçalo. O Jorge e o Freitas (embora neste o equipamento de outras cores possa significar... «transferência») também marcaram presença, mas curta. E ainda eu... a recear que tivesse de seguir pelo mesmo (encurtado) caminho, mas, afinal (e felizmente) a «cumprir» a Clássica até muito mais tarde do que esperava.
Aliás, esse receio desde cedo se dissipou (ou pelo menos atenuou), ao sentir que a forma física, ainda limitada com apenas duas semanas de treino a seguir a um interregno prolongado, resistia ao exame madrugador que foi o andamento imposto praticamente desde a partida pelo Ricky. Logo em Alverca (16 km): 35,5 km/h de média. Este foi o figurino da Clássica até muito tarde. O possante rolador da Pina Bike a comandar o extenso pelotão, apenas amiúde ajudado/substituído na sua ação. Um trabalho louvável e de grande nível, à imagem do que faz, por norma, o (ausente) Renato Hernandez, mas que nada ficou a dever-lhe. E nem sequer faltaram figuras com qualidade/capacidade para o render, mas que terão preferido (e nada se incomodado) fazer bom aproveitamento da excelente boleia.
Às custas quase exclusivamente daquele líder, o grande grupo percorreu a ligação Alverca-Cartaxo à impressionante média de 39,3 km/h e do Cartaxo-Alcoentre em 38,2 km/h. Média total: 38,1 km/h. Obra! No seio do pelotão, o Dario manifestava um misto de perplexidade com elogio perante a intransigência do seu «instruendo»: «o Ricardo não sai da frente, tem nível 4 para hoje», comentava a um parceiro que parecia cético sobre a intensidade do exercício. Mas o «técnico» esclareceu: «sim, é a nível 4 que ele vai!». A confirmar-se, que resistência!
Chega a Espinheira, e a primeira dificuldade do relevo. Curta, mas quase sempre fortemente atacada... E a regra confirmou-se. No alto, primeiro corte no pelotão, que não demorou a ser fechado. Ultrapassado, sim, mas com marcas que ficam! Para mim, nos metros finais da rampa, o pico de pulso do dia: 182 bpm, e o ritmo embalava, finalmente com outros protagonistas. Até Alenquer e Carregado (onde se registou uma queda de dois elementos devido ao piso molhado numa rotunda, felizmente sem consequência maiores), assomaram-se à dianteira os Roda28 e o Duarte, entre outros que ajudaram a estabelecer uma média de 40,5 km/h desde a Espinheira. Total: 38 km/h!!
Após o Carregado, mais dificuldades. Suave ascensão para Arruda, onde os «principais» começaram a posicionar-se. O Torpes toma a iniciativa à frente do já encurtado grupo (cerca de 20 unidades), mas foi rapidamente rendido por um Roda28, que parecia ter missão específica: forçar o andamento nas partes em subida. Em consequência, o nível de exigência subiu, ainda que a patamar (para mim) suportável.
Após Arruda, então, as cartadas decisivas. O Mata-a-Velha lança-se a caminho do cimo de A-do-Barriga, motivando a primeira grande reação do pelotão após a Espinheira – mas agora já com uma triagem muito mais fina. Começo a vacilar sem surpresa. Mas alguns companheiros Pinas (Nuno Mendes, Bruno de Alverca, Gonçalo) que passam por mim encorajam-me a seguir-lhes a roda, e à passagem pelo cruzamento de Vila Franca (ponto baixo, após a primeira subida) recolo e com a embalagem passo direto...   Era tempo de gastar as forças que me restavam – que desde logo se confirmaram fracas e pouco duradouras. No topo de A-do-Barriga, ataca detrás o Capela e fico novamente (e perecendo definitivamente) descolado. Repetem-se os incentivos. Voltou a entrar. E a passar novamente para a frente no início da descida de A-dos-Melros para Alverca. Agora mobilizo o Gonçalo. Inclusive, puxo por ele! Descemos à média de 50 km/h – pulso a 170. O grupo de não mais de 15 unidades esticado atrás de nós. O meu depósito quase na reserva. Mas não desarmo no objetivo final: não deixar o andamento baixar até à entrada do Cabeço da Rosa, onde o Torpes poderia jogar o seu trunfo de trepador.
No entanto, descoordenação ou mal-entendido! Na estrada da Proverba, já em ligação à subida, deparo-me destacado, na companhia de um Duro, dos poucos que resistiam (creio que, além deste, apenas o medalhado Vaqueirinho - no Granfondo Gerês - e o Nuno TDI). Aquele lança-me o repto para insistirmos na ação. Nem lhe respondo (por ser tão óbvio para mim...). Mas o próprio também não estava muito melhor, como se conformaria no C. da Rosa, onde o último a passar por mim...
Retomando: deparo-me, então, destacado, com o grupo principal a cerca de 50 metros e liderado pelo... Ricky! Não era suposto... Enfim, agora não havia volta a dar, senão ir até onde desse. Que foi logo a primeira rampa do Cabeço, a mais rude, quando por mim passa o Mata-a-Velha em grande andamento. Mas não demorou muito tempo para ter resposta de um quarteto, composto pelo André, Tiago Silva [creio], um Roda28 [seria para este o trabalho do seu companheiro em Arruda] e o Torpes, e que na última vez em que tive contacto visual (à saída do viaduto) já era liderado pelo homem-forte da Pina Bike, também ele consagrado no Gerês. O que se passou depois, bom, fica para quem lá esteve contar. O topo do Cabeço da Rosa foi mais do que suficiente para mim naquele dia!
A todos, até 15 de setembro, na Clássica dos Campeões! Com o seu percurso para... «campeões»!

terça-feira, julho 09, 2013

CLÁSSICA A PENICHE DIA 14-Julho

FOTOS
Agradecimentos a todos os participantes.


Agradecimentos aos quase 30 participantes.
Hoje houve grande adesão na Clássica a Peniche.
Manha ``chorona´´ onde fomos quase sempre acompanhados de chuvisco.
Agradecimentos a Ana e Nuno TDI que vieram de proposito da outra banda para ver os amigos e participar na Clássica.
Também o reaparecido Francisco ``Cancellara´´ nos fêz companhia.
Em Pero Pinheiro entra o pelotão dos roda 28.
Pouco depois alguém grita furo.
Aqui vinha eu na frente com o helder e dizem que o furo era falso alarme.
Afinal foi o Fernando Duarte o Renato que furou e poderia-mos ter perdido 5m com eles.
Só soube disto depois da lourinhã.
Confirmo a minha tristeza mas o Fernando chegou bem a casa.
O ritmo moderado até Peniche foi agradavel pelo menos aos que iam na roda.
Alguns rodas 28 tambem rebucaram o Comboio .
O Francisco meteu o ritmo por muito tempo e era dificil ir na roda.
Batida a foto da prache la segui nos primeiros .
Quando damos conta eu, o Castro e o Andreas iamos isolados.
E agora???
Foi dar tudo o que tinha.
Classifico hoje o mais combativo do dia o Castro pois este homem não desiste da fuga até ao ultimo metro.
Com pulsações nas 170 e 180 desisto da fuga nos Cunhados.
Os 2 fujitivos foram apanhados na subida do Aranha .
Aqui deixo-me ficar pois as forças já estavam no minimo.
Fui sozinho até a Ericeira onde me esperavam o Alvaro Macedo e Rui Luzia e aos 2 agradeço a companhia.
Penso que chegaram na frente os roda 28 na companhia do esteves.
Abraço a todos e dia 28 Julho temos clássica ao cartaxo com os Pinnabike.
TO MONTEIRO





terça-feira, junho 18, 2013

2013-Gerês Granfondo Cycling Road

Agradecimentos pela dedicação.


Gerês Granfondo Cycling Road
Estava longe de imaginar que em Portugal se organizassem eventos desta natureza, com tão elevado profissionalismo. Parabéns à organização, ao público em geral e a todos os participantes!

Os Duros do Pedal marcaram presença e, não deixaram seus créditos por mãos alheias.
Na vito foram 5 atletas; eu, Miguel Afonso, Carlos Martins, Carlos Tapadas e Pedro Sampaio. É mais sobre estes que eu vou falar, porque foi com estes que partilhei os momentos desta magnifica jornada do princípio ao fim. Também lá estavam “sem medos” os Duros; Telmo Nunes e Andreas, gostei muito de os ver!
Para a partida atrasámo-nos um pouco, como castigo, fomos dos últimos a partir, ou seja, a soma dos atletas das 2 provas, Médiofondo e Granfondo era cerca de 1000, foram + ou – esses os atletas que tínhamos à nossa frente!
Deu se o sinal da partida, o tempo a passar e nós a marcar passo, quando passamos a linha da partida, certamente já tinham passado cerca de 3 minutos. Os primeiros 6km foram feitos a descer, com o andamento controlado, fez com que todos tentassem ganhar a melhor posição, o que resultava em manobras muito perigosas, grandes travagens, penso que sem quedas, felizmente.
O Miguel Afonso nestas situações é um autêntico furão, em pouco tempo perdi o de vista. Eu, Tapadas e Martins fomos ganhando posições, mas com muita dificuldade, o Pedro Sampaio abraços com a avaria na manete do desviador dianteiro, ficou para trás.
Ao fim dos cerca de 6km deu se o sinal de andamento livre, foram se formando vários grupos. Definitivamente, eu e o Tapadas tentámos alcançar a frente da corrida, íamos saltando de grupo em grupo, até que, depois de grande esforço o viemos a conseguir ao km20.
Até ao km45 mantivemo-nos sempre na frente juntamente com o Miguel Afonso. O Martins e o Sampaio nesta altura estavam para trás. Apesar do andamento ser bastante rápido dava para acompanhar sem problemas. Ao km45 chega a 1ª dificuldade do percurso, subida (Alto Joana Barbosa) com 6km e com uma inclinação constante de cerca de 5%. Esta subida foi feita a um ritmo muito alto, eu e o Tapadas perdemos o contacto com a frente, mas na descida voltamos a recuperar. Assim continuamos, até que ao km70 nos deparamos com mais uma subida de 11km (Alto Alberto Amaral), com inclinação média de 6%. Decidimos não ir ao choque e seguimos com o pessoal com o nosso andamento, aqui já não pensávamos na frente, mas sim, seguir num andamento de forma a não sermos surpreendidos pelo desgaste físico.
Ao km100 chega a grande dificuldade do dia (Alto Luis Teixeira), subida com 14km, algumas rampas a atingirem os 12% de inclinação, isto já com 100km nas pernas e 3h de prova, troços desta subida é feita de paralelos, alguns, tipo calçada romana. Já com 6km percorridos desta subida, passa por mim e pelo Tapadas o “Talega” mais conhecido por Pedro Sampaio, impressionante, na talega50 e com o 28 atrás. Comentámos a situação com outros atletas, o espanto foi geral. Eu seguia no 39/25, não tinha mais, lá tive que me aguentar, a partir daqui, o Tapadas começou a quebrar (malditas cabras… câimbras), eu como não podia fazer nada por ele, segui ao meu ritmo. Depois desta subida, praticamente acabaram se as dificuldades, foi só gerir, para na parte final fazer a última subida com cerca de 5km até à meta, situada no centro da Vila do Gerês. Quando cortei a meta já lá estavam os Grandes Duros; Miguel Afonso e o Homem do dia, Pedro Sampaio. Parabéns aos 2 pela excelente prova!
Quanto ao percurso; fantástico, paisagens lindíssimas, seria muito bonito fazer isto na descontra. Menos bom; alguma calçada bastante irregular, especialmente na passagem de algumas localidades, com velocidades estonteantes. O carbono chiava por todo o lado, muito aguentam estas máquinas!
Gostei de ver muitas caras conhecidas, durante e após prova; Ricardo Costa, Freitas, Rui Torpes o Pina e muitos outros Pina Bike. Castro, José Costa Santos, Paulo Marques e muitos outros…, grande abraço. 

Classificação na geral do Granfondo, 146km com 2851m de subida acumulada:
Vencedor, José Carlos Rodrigues 04:16:24
48º Duro Miguel Afonso 04:33:32
86º Duro Pedro Sampaio 04:46:57
90º Duro António Vaqueirinho 04:49:48 (fiz 3º no meu escalão, Master C)
154º Duro Carlos Tapadas 05:06:43
158º Duro Carlos Martins 05:07:46
264º Duro Telmo Nunes 05:30:25
306º Duro Andreas Fasching 05:44:06
524º Último dos que terminaram 07:52:56

Obrigado a todos pela excelente companhia!
Um abraço,
António Vaqueirinho

sexta-feira, maio 24, 2013

CLÁSSICA-LEZÍRIAS Domingo dia 2 - Junho


FOTOS


Uma queda logo no inicio, um raio partido na bike do Monteiro a 100km de casa, e alguns que passaram mal com o calor, mesmo assim uma Clássica brutal que veio para ficar no lugar do Tróia-Sagres Primaveril. Agradecimentos aos participantes .
Abraço !!!

Rescaldo por TO MONTEIRO

Decididamente uma Clássica muito interessante que veio para ficar no lugar do TROIA-SAGRES PRIMAVERIL onde o endurance é a palavra mais sinónima.
Passagem por Caneças e no alto de Montemor já eramos mais de 20.
Em frente ao hospital uma queda por parte do Sequeira levou-nos a um certo atraso.
Desta maneira chegamos a Loures cerca das 8h30m e já tinham todos partido.
Só reagrupamos no Tojal.
Aqui algumas fotos e desde logo alguns DUROS tentam tomar conta do ritmo na frente.
Depois de Alverca o Castro e Ricardo dos Pinnabike lançam uma escaramuça só sendo apanhados depois de Benavente por parte de um grupo em fuga.
Conseguimos por um ritmo suave no paralelo e ponte de Vila Franca pela primeira vez em poucos anos.
Passada a ponte nos 53kmh com a rotação a bater nas 196 bpm
Logo alguns roda 28 a darem o mote subindo o ritmo drasticamente resultando 2 grupos.
Só conseguimos colar perto da rotunda do Porto Alto com toda a ajuda do Nuno Franco que esteve brutal até a Caneca.
Rotunda do porto alto com a minha média de pulsações nas 163 bpm e velocidade média de 32kmh.
Pulsações altas devido ao tempo que puxei na frente com vento contra, não foi nada facil.
A partir daqui só fui na frente uma ou duas vezes, o radiador ja ia subreaquecido.
Daqui até Coruche a média estacionou nos 33,2kmh .
A paragem do xx originou 2 grupos porque alguns não pararam pois na roda do IROMEN não se baixava dos 40kmh.
Este grupo da frente deu boleia aos 2 fugitivos do dia, Castro e Ricardo Pinnabike.
Continuamos no grupo perseguidor numa roleta de poucos segundos a cada um de maneira a recuperarmos terreno.
Bom trabalho por conta dos roda 28.
Nisto se parte um raio na roda do Monteiro que deitou por terra a nossa continuação no grupo.
Regressamos de Coruche num grupeto de + - 6 elementos num ritmo agora entre os 33 a 40 kmh gerindo ao máximo as forças e hidratação pois o calor apertava e não valia a pena gripar o motor.

Resta-me agradecer a todos os participantes e dar os parabéns aos DUROS:
Jorge por ter tido o melhor desempenho até Hoje.
Vaqueirinho por ter tido coragem de participar logo depois das Serras miticas.
Telmo.
Nuno Franco que muito puxou sem medo pagando bem cara a factura no regresso.
Abraço
TO MONTEIRO


Excelente Clássica das Lezírias do Grupo Duros do Pedal.
Grandes andamentos:
Loures – Coruche 76km, feitos à média de 33km/h
Coruche – Loures 79km, feitos à média de 38,7km/h, isto graças ao empenho de todos os que chegaram na frente, sim porque, o comboio era grande e, conforme ia avançando, assim se ia perdendo carruagens!
Antes de Coruche já muitos tinham ficado para trás, ou por avarias, ou “furos” nas pernas…
Agradeço a ajuda do amigo Rui Luzia, por me ter protegido do vento, durante alguns km antes de Coruche, quando eu ainda estava em fase de aquecimento. Obrigado Rui!
Em menos de 24h fiz as Serras Míticas de Montejunto no total de 150km a contar com a deslocação de Montejunto para Torres Vedras, mais 175km desta Clássica. Ou seja, nada melhor que depois dum empeno, levar com outro ainda maior!
Dia excelente para a prática da modalidade, com atletas de grande valor, dos quais destaco grande parte dos elementos do Grupo Roda 28 e alguns outsiders.
Na fase inicial, parte dos Duros deram o corpo ao vento, destaco Tó Monteiro e Nuno Franco… entre outros. Conforme íamos avançando, os Roda 28 com elementos de muita qualidade, foram tomando conta das despesas, isto até Coruche.
Depois de Coruche, as despesas foram repartidas conforme a disponibilidade de cada um, assim se manteve um andamento sempre muito vivo!
A chegada a Montemor, no grupo da frente foi pacífica, todos aceitaram levar um andamento que, mais ou menos fosse suportado por todos. Destaco a grande união de esforços entre estes elementos, grande companheirismo, assim dá gosto “sofrer”!!!
Eu como sai de minha casa (Famões) fiz o total de 175km feitos à média de 34km/h.
Obrigado a todos os participantes, pela excelente companhia.

VAQUEIRINHO



segunda-feira, abril 22, 2013

CLÁSSICA ``MONTE JUNTO´´ DIA 25 ABRIL

 FOTOS

Manhã espectacular de ciclismo.
Agradecimentos a todos os partricipantes.


Agradecimentos a todos os rebucadores e em especial ao DURO Pedro Bike que rebucou o Comboio durante muito tempo.

terça-feira, abril 02, 2013

CLÁSSICA - LOURES - ÉVORA - (Domingo 7)

Ponte de Vila Franca o PESADELO !!!
Foi o que senti nas 186 FC .
Depois do Pavê que já de si foi desgastante para as carbónicas, as 186 FC na ponte fizeram saltar o pipo da panela.
Na roda do vaqueirinho só aguentei até Montemor quando a média batia nos 40kmh.
Superei-me a mim proprio sendo esta a minha melhor média desta curta vida de ciclista 37,3kmh.
De lamentar que alguns homens fortes metam os ritmos de 50 kmh e depois atalhem.
De lamentar também o comportamento nervoso de certos ciclistas que tratam elementos de outros grupos, como se fossem inimigos.
Talvêz devam pedalar sosinhos assim não se enervam.
Abraço
TO MONTEIRO 




Por Vaqueirinho
O grupo da frente fez a fantástica média de 39,5Km/h, nos 135km de distância!!!
Para se conseguir esta média, muito se deve aos homens que passaram pela frente do pelotão, com cerca de 1 centena de atletas. Os meus Parabéns vão para esses fantásticos atletas, não os vou enumerar, porque não sei o nome de todos.
Os Duros estiveram muito bem representados, com todos os seus elementos a irem até ao limite das suas forças e, quem dá o que pode, a mais não é obrigado! Tó ainda não foi desta, mas foi por pouco, tentas para o ano…
Como é habitual, os três pontos quentes a fazerem os seus estragos, Vendas Novas, Montemor-o-Novo e o topo do cruzamento de Arraiolos/Escoural.
E quem passou em 1º no topo desse cruzamento? - Eu! Sim, António Vaqueirinho com a camisola amarela dos Duros do Pedal!
A partir deste topo ainda tive forças, para ficar na frente durante algum tempo. Depois foi só gerir até chegarmos a Évora, onde abdiquei do sprint, para não ter dissabores a ex: do ano passado, onde estive envolvido numa queda coletiva. (Serpa160 espera por mim...!)
Na frente chegaram cerca de 25 atletas, também lá estava o grande Duro Pedro Sampaio, a grande maioria eram Pinas, Roda 28 e Ciclismo 2640, entre outros… fantástico ambiente de companheirismo e desportivismo. Parabéns a todos!